quinta-feira, junho 03, 2010

de como dormir na estrada

já faz tempo que o amor passeia
pra longe do nosso caminhar

de repente, para:
lá fora nada aquece
(alameda gelada do estar só)

volto a te sorrir calada
em doses pálidas daquela embriaguez
de quando fazíamos as pazes
- bola de neve da ingratidão

mas deixa que logo me refaço
da nossa antiga bagagem;
carona recheada de saudade
aqui dentro

3 comentários:

Esyath disse...

Suka,

no fundo sabemos que as recordações nos acompanham enquanto conseguimos respirar... E são elas que nos ajudam a recordarmos quem somos e como viver vale tão a pena...
As vezes as lembranças estão tão distantes, e desbotadas que chegamos a pensar que nem são nossas lembranças, mas com boa vontade nos lembramos de porque um dia elas nos fizeram felizes... e então... sentimos que tais memórias... ainda são nossas... por mais distantes que estejam...

Beijos (Des)conexos!
www.historiasdesconexas.blogspot.com

Pedro Pan disse...

, tomara que se refaça de antiga bagagem... o amor as vezes é arisco...
, suhelen obrigado pelas palavras, me deixou muito feliz. queria saber agradecer bonito como escreveste sobre minhas quimeras. mas só me resta é dizer obrigado. obrigado por me acompanhar em este caminhar e deixar que eu te acompanho também...
, beijos meus!

Bergilde Croce disse...

Gosto de poesias e sigo blogs nessa temática,pesquisando cheguei aqui e também me agradou o que ví.Desde já acompanhando também da Itália,Bergilde