sexta-feira, novembro 28, 2008

"no sé donde acomodarte
no sé de que color pintarte
no sé muy bien que nombre darte
si te veo por la calle
pero sé que tu
me miras a los ojos y es algo único
sé que yo siempre quiero más..."



bueno pa bailar, ai ai...

segunda-feira, novembro 24, 2008

...

depois de muito me perder
em poemas alheios
[teus escritos mundanos]
neles me reconheci

resolvi mirar os olhos
rumo a estrela agregada
a firmeza ao redor da lua
num quase toque seco
- teu luxo virou pra mim uma certeza fina.

a sorte vai virar eterna,
a noite dela pra mim se torna martírio
tua insensatez exprime minha demência
e em meu fim de tarde sopro um vago desabafo.




e assim eu caminho no tempo que bem entender...

sexta-feira, novembro 14, 2008

hoje não tem essa de rolar uma pedra de responsa. nem vale a pena mergulhar na valsa da formatura do amigo nem tão conhecido. aqui já é quase meia-noite e o horário de verão me pediu um copo com água pra amenizar o calor lá do outro lado do planeta. quem sabe amanhã talvez arda um bolero e debaixo uma regatinha fresca. ou ainda um tango argentino caia na partida contra a seleção dos mais mais pra embalar os corações abandonados. fossa de sexta-feira é meio foda. bossa pra sexta-feira é meio forca. pelo menos quando se está só. e hoje a força vai mais ou menos assim, nem samba nem baião. nem pé de serra nem tecnobrega. deixa essa vozinha comigo e só por hoje que tá bom demais.



rockets, rockets e rockets.

sábado, novembro 08, 2008

p&b

meu poema da noite em claro
padeceu no breu em que amanheço
naquela velha canção em que ressoa meu silêncio.

sexta-feira, novembro 07, 2008

sábado, novembro 01, 2008

perdi

a paciência que me faltava
acabou de sair em viagem
rumo ao céu.