segunda-feira, junho 16, 2008

depois da irritação

hoje apenas repito o que um bom poeta
disse outrora, acerca das orquídeas
que se entreabriam...
já não há diferença
entre o silêncio que desenhava
e o barulho em que agora flutuam.
enquanto me esforço a não rodar mais
percebo que nada há de novo
mas há algo mais forte, eu sinto
e ainda não consegui entender...






é que o seu rosto ainda não entrou na moldura de meus olhos.*

3 comentários:

Andréa Milch disse...

hmmmmm...

sempre se pressente. ^^

Solin disse...

coisas que se sentem, geralmnete entendemos. apenas sentimos.

Esyath disse...

Suka,

querida, li e senti que passeiam todos os humanos por estes versos pelo menos em alguma etapa da vida...
Tudo está sempre lá... Nem sempre paramos para compreender...
Ou conseguimos... sentir de verdade a verdade...

Beijos (Des)conexos!