domingo, agosto 05, 2007

atrás de todos os reflexos impossíveis uma luz.
um longo caminho e a beira da estrada.
a culpa do que não se sabia.
era um olhar: a falta da voz que se cala
e o brilho depois de um sonho aberto.
a ferida fecha.
o fim nem sempre belo
e a palavra brinca livre
independe do incerto infeliz.
e brada como a flor da tarde
que se põe em nós.
e tudo vinha sorrindo
ao dançar, para sempre
não fosse o despertar dessa agonia.
ao entardecer daqui a pouco
quando nossos pés mentem
sem mais estrelas
ao recolher de nossas paredes
a construção deste silêncio.

Um comentário:

Michele Carilo disse...

"E tudo vinha sorrindo"
Por que será que tudo na vida não nos vem sorrindo?

Beijos, bom domingo