sábado, junho 30, 2007

um dia passa para mim:

por cima
as horas e suas flores
caem.

a noite passa sem ti:

ao lado
as flores com suas cinzas
sobem.

agora passa por nós:

de fato
as cinzas sem suas horas
somem.

sábado, junho 23, 2007

O fino passo com que me guias
no campo de afetuoso alívio
é como o perfume reprimido
da mais perdida e fina flor

- sonhando, faz sorrir de alegria
dormindo, faz sonhar com o amor.

Se me espera a festa que em mim vive
ao som daquela voz a embalar
até o que há no fim de mim
brota em nós como o suave inverno
tal como a poesia que há em ti

em que meu destino se encontra em teu desatino
onde meus pés se perdem onde me prendes

porque nestes dias
as dores ressentidas sumiam
a tal alegria e a tua voz
era o que ouvia,
meus olhos agora
nem mais podiam
e as estrelas
[coitadas...]
de mim
se enchiam
porque estavas comigo...

terça-feira, junho 19, 2007

Sem sentido.
Com compasso.

Sem companhia.
Com sentimento.

Sem vazio.
Com cobertura.

Sem barulho.
Com zoada.

Sem mania.
Com arrelia.

Sem sono.
Com calor.

Sem sandália.
Com chinelo.

Sem silêncio.
Com calma.

Sentada.
Com queijo.

Sem pauta.
Complexo.

Sentado.
Completo.

sábado, junho 16, 2007

lamento
por ser
infantil

[pobre
loucura senil]

liberto a imagem

mas livre
eu penso
ainda
num dia
em voar
e voltar

[libertinagem]



*lindo passeio estudantil

Poema desnudo

A ânsia da origem corporal
Entre as paredes da introdução
Para cada coração partido
Uma verdade que se faça presente
Que se faça perceber
Um grande brado de liberdade.

sexta-feira, junho 15, 2007

à noite
amortece
enlouquece
anoitece
entorpece
[acontece...]

quarta-feira, junho 13, 2007

Um alarme!
Aqui temos entre nós
a expressão desmaiada.
As eternas almas sem repouso.
Oh, companheiros,
como foram belos estes dias!
Quão tristes foram, ainda que belos!
Mas tardaram a partir.
E se foram.
Para bem longe.
Para além de mim.

domingo, junho 10, 2007

gritos que solicito ao escuro
em silêncios de sonos

de letras em tempestade
no tamanho da pauta incalculável

meu lado sem lados
meu caminho alado

lado a lado comigo.

sábado, junho 09, 2007

só recolho o que me basta
e espalho tudo o que me falta
agora. e mais nada.

nesse olhar cheio de vazio
repleto de sentido
sempre sem mim.

desde já.

e ainda nem sobrou...
mas a janela vai ficar aberta.

quinta-feira, junho 07, 2007

Olhai as rosas musicais
nas praças levemente erguidas,
cantai como ecos inteligíveis
pelas ruas da cidade antiga!
Como fosse possível tanta alegria
esse desejo agora concebido
vai fazer brotar no chão
a pausa da clareza vespertina.
O amor, a morte ou o amargo calor
hoje soarão pelas ladeiras cristalinas
e embora esse desejo esteja envelhecido
há um esforço pelo sutil encontro.
Não demorará a hora de acordar
e por mais flores que surjam
os tempos tristes ficarão por lá
sem trocar aquilo que nos traz aqui.
Dançai! Porque a música inaladora não pode parar.


Pelo menos hoje não.

quarta-feira, junho 06, 2007

surgiu, então, um dia
comigo
a notícia das horas e suas cinzas
das nuvens sem qualquer aviso
do caminho que já vai sendo
do sopro da brasa fria
do pranto das sereias perdidas
dos muros quebrados e estáticos
dos gestos entre as paredes
da pálida angústia cotidiana.

era a hora do grito.

cansado
e rumo ao nada
permaneceu sozinho...


o caminho vai sendo
e sempre comigo.