terça-feira, outubro 10, 2006

todas as taças estão cheias.
na tarde contam seus espinhos.

os cinzeiros esperam o pó.
seus caminhos cortam a noite.

o espelho embaçado te mostra de lá.
o reflexo escuro me esconde daqui.

hoje estás tingida de violeta.
violenta é a dor que atinge o amanhã.

sente a falta das tuas asas?
sem ti, a flauta não dá notas!

tua mão não alcança minha lágrima.
minha dança não tem tua companhia.

chorar seria um triste consolo.
por ti, sorrisos e flores seriam
a luz que te leva nestas ruas
ou a origem que te eleva às rosas.

cantarei a espera da tua volta.

3 comentários:

Menina Canora disse...

Saudade é palavra triste.
Espera também.
Mas, quem nunca sentiu isso né?
Beijos Suruka!=)

Verbena disse...

Ah, nem sempre espera é pra tristeza.

Há amor, desejos contidos-e ternos-, sonhos de dias em que só se quer deitar na grama e ver o céu. E imaginar como será a volta, o encontro, o abraço que nem deveria ter demorado tanto tempo pra acontecer.Os corpos nunca deveriam se privar do calor de outros...

Espera, pra mim,tem a ver com aquela sensação gostosa de que tá perto, eu tô doida pra que aconteça e não consigo antencipar nada. E tem um calorzinho ou frio -ou os 2- por dentro só de imaginar que tá chegando e vai ser bom ou nao.

Pode até dar água na boca de quando tô esperando só gelar a sobremesa. Ou trazer o azul que já nem queria pra minha alma tão cianótica. Mas o ardor da espera, cortando tudo o que poderia ser e ainda não é, e nem chegará a ser é algo que quero sempre.

Esperar...

Esperança ...

proseadora disse...

eterna espera....
ai que vida....
e a saudade....

[e como sempre melhor do que o que escrevo, né, verbena???]

ainda bem que temos ela...
esperança