sábado, setembro 23, 2006

Do muro nasceu a árvore
das balas vive o vendedor
das cascas fez-se o chá
das chagas tem-se a dor
das perdas foi-se a morte
da poesia o trovador
do medo rompeu-se o silêncio
das letras tirei a cor
dos filmes no cinema
e das fraquezas
vou me recompor...
com os rabiscos
com meus riscos
e sem rascunho pra compor.

Nenhum comentário: